Se gostou, compartilhe!

1 – ANGOÉRA

2 – ANHANGÁ

3 – ARRANCA-LÍNGUA

4 – ÁRVORES ENCANTADAS

5 – AVATI

6 – BARBA-RUIVA

7 – BOITATÁ

8 – BOIÚNA

9 – BOTO

10 – CABEÇA DE CUIA

11 – CAIPORA

12 – CAOERA

13 – COBRA NORATO

14 – CUCA

15 – CURUPIRA

16 – LOBISOMEM

17 – MULA-SEM-CABEÇA

18 – NEGRINHO DO PASTOREIO

19 – SACI PERERÊ

20 – TUTU MARAMBÁ

21 – VITÓRIA-RÉGIA

22 – YARA

23 – ZUMBI

 

ANGOÉRA (Fantasma em guarani)

Era um índio muito triste

Que de tudo se escondia

E de todos pelos matos

E peraus. Ninguém o via.

 

ANHANGÁ (Protetor da caça)

Por meio de um assobio

Sua presença é assinalada

E a caça desaparece

E não é mais encontrada.

 

ARRANCA-LÍNGUA

Rebanhos ele dizima

Pra comer somente a língua

Das vacas. É um desespero.

As pobres morrem à míngua.

 

ÁRVORES ENCANTADAS

Aparecem e desaparecem.

Surgem à beira das estradas

E pelos caminhos desertos

por caçadores encontradas.

 

AVATI

É um herói guarani.

Foi morto e de sua cova

Nasceu a planta de milho

O seu nome é Avati.

 

BARBA RUIVA

De cabelos bem vermelhos

Com o peito cheio de lodo

Desprezado pela mãe

É temido como um todo.

 

BOITATÁ

Cobra-de-fogo que vaga

Pelos campos e os protegem

Daqueles que o incendeiam.

Boitatá é o personagem.

 

BOIÚNA (Cobra grande)

É uma cobra gigantesca

Que vive nos aguapés,

Fundo dos rios e lagos.

Corpo brilhante que é

Reflete a luz do luar

Atraindo os pescadores

Que se aproximam pensando

Ser um barco dos maiores.

 

BOTO

Em belo rapaz se transforma,

E se veste todo de branco,

Portando um chapéu pra esconder

O furo no alto da cabeça

Por onde o crustáceo respira.

Dom Juan caboclo pode crer!

Seduz as moças e donzelas

E quase sempre as engravida.

Não resistem ao seu encanto.

 

É um boêmio, e ninguém duvida.

É grande sedutor das matas,

Quando não se conhece o pai

É o boto que leva a fama.

Da boca do povo não sai.

 

CABEÇA DE CUIA

Alto magro e cabeludo

Vive nas águas do rio

Sai a procura de moça

De nome Maria.

CAIPORA

Protetor das caças no mato.

Quando sai errado um projeto

É que o autor viu o caipora.

É o azarão em seu trajeto.

 

CÃOERA

Mora em buracos na terra.

É um tipo morcegão.

Ele surge quando jogam

Espinha de peixe n’água.

 

COBRA NORATO

Rapaz encantado em cobra

Que habita o fundo do rio

De noite ele vira gente

Dança e ao amanhecer

Vai embora de fininho.

 

CUCA

Feiticeira, mulher feia,

Ameaça as criancinhas

Que são desobedientes

E que não são boazinhas.

 

CURUPIRA

Um moleque de sete anos

Corpo de pelos coberto

Com pés virados pra trás

Deixando o caminho incerto.

 

LOBISOMEM

Morre com bala de prata.

Homem lobo que vagueia.

Ataca a qualquer um,

Em noites de lua cheia.

 

MULA-SEM-CABEÇA (burrinha de padre)

Conta a lenda que mulher

Que namora padre vira

Uma mula-sem-cabeça

E que nunca mais desvira

 

NEGRINHO DO PASTOREIO

Uma espécie de anjo bom.

Ao qual se há de recorrer

Pra achar o que se perdeu

E que faz aparecer.

SACI PERERÊ

Negrinho de uma só perna

Diz a crença popular:

Pede fumo aos viajantes,

Alegre a saltitar.

Vive atazanando a vida

Das pessoas no rincão.

Não é maldoso o peralta.

Ele é só brincalhão.

 

TUTU MARAMBÁ (Bicho-papão)

Mete medo às crianças.

Ele é muito roncador.

Vem quando os meninos choram.

É um barulho, que horror!

VITÓRIA-RÉGIA

Conta a lenda que a índia

pela lua fascinada

Quis alcançá-la no céu

Não conseguiu, desolada.

Uma noite ao ver a lua

no lago ali refletida

Mergulhou ao seu encontro

E teve triste partida.

Comovida a lua no céu

Transformou-a numa flor

Vitória-régia surgiu

Com todo o seu esplendor.

 

YARA

A jovem Tupi rainha

Do grande rio Amazonas

Seu corpo foi transformado

Parte peixe parte humana

 

Yara virou sereia

Com seu canto ela atraia

Os homens ao seu encontro

E a água os consumia.

 

ZUMBI

Vaga pela noite a alma

Do Quilombo dos Palmares

Fantasma que nas estradas

Assombrações dos lugares.

***


Se gostou, compartilhe!